Como escolher um bom óleo de motor?

Antes de considerar trocar o óleo do motor, primeiro certifique-se de escolher o produto certo. Existem basicamente três opções de óleos no mercado. Os óleos minerais são um produto histórico e vêm do petróleo processado ou refinado. Devem ser distinguidos do óleo vegetal, que às vezes é adequado como combustível para veículos a diesel. Os óleos minerais são indicados justamente para carros com esse tipo de motor ou com alta quilometragem. Os óleos sintéticos, como o próprio título sugere, são produtos artificiais e geralmente são de qualidade superior ao óleo mineral, mas também têm um preço mais alto. Eles são recomendados especialmente em motores recentes que são compostos por um filtro de partículas. Também são recomendados para uso intensivo ou urbano.

Já o óleo semissintético possui uma base mineral que passou por tratamento para obter um produto mais robusto e estável. É recomendado para viagens mistas e condução normal. Além da qualidade, o índice de viscosidade também é um ponto crucial na escolha do óleo do motor. É expresso por dois dígitos e um “W”: por exemplo, 15W40. O número que precede “W” designa a viscosidade a frio, ou seja, a capacidade de resistir a baixas temperaturas, enquanto o número que segue a sigla indica a viscosidade a quente ou o nível de resistência a altas temperaturas.

entre em contato com Doutor Baterias BH através do seu site: https://doutorbateriasbh.com.br.

Essas duas reações funcionam em loop, uma alimentando a outra e vice-versa, alimentando a bateria e permitindo que ela carregue o motor do carro.

Esvaziar um veículo

Além de reabastecer o óleo, também é crucial agendar adequadamente as trocas de óleo do veículo . Trata-se do bom funcionamento do motor. Nos motores a gasolina, esta operação deve ser realizada geralmente uma vez por ano ou após 10.000 a 15.000 km. Nos motores a diesel, é aconselhável planejar uma troca de óleo a cada 7.000 km, ou seja, uma ou duas vezes por ano. O ato deve ser realizado por um mecânico especializado ou em uma oficina, pois requer muitos materiais, ferramentas e acessórios, pois também será necessário trocar, entre outras coisas, o filtro de óleo, o filtro de combustível e o filtro de ar.

Por que e como verificar a pressão dos pneus do seu carro?

Os pneus precisam de mimos constantes. A sua longevidade está em jogo, mas sobretudo a segurança nas estradas. Uma das ações de manutenção mais simples e baratas de se realizar é verificar e depois ajustar a pressão dos pneus. Você mesmo pode fazer esta operação graças a algumas instruções e dicas. Siga o Mestre.

Fonte de reprodução: Adobe Stock

Pneumática: um papel fundamental

Principal componente do veículo em contato com a estrada, o pneu desempenha um papel importante na segurança e no conforto da condução. Sua principal missão é transportar o veículo. Além de sofrer 20 milhões de deformações, deve ser capaz de suportar um peso 50 vezes maior que o seu. Ele também deve resistir a aceleração, transferência de carga e, claro, frenagem. Como é necessário para garantir o movimento do veículo, deve ser capaz de oferecer a melhor eficiência em qualquer tipo de estrada e em qualquer momento. Além disso, este componente é importante na estabilidade da trajetória em função do clima (neve, vento, chuva, calor, etc.) e da qualidade da estrada (cimento, alcatrão, paralelepípedos, etc.).

Sem bons pneus, um carro nunca será capaz de garantir o melhor conforto para os passageiros. Cabe a este elemento absorver vibrações e choques causados ​​por irregularidades e diversos obstáculos na via. Por fim, os pneus também contribuem para a economia de combustível. Desde que proporcione uma boa resistência ao rolamento, o veículo consome menos energia.

Pneu inflado incorretamente: consequências dramáticas

De acordo com estudos recentes, 2/3 dos motoristas franceses dirigem com pneus na pressão errada. No entanto, não há nada pior para causar desgaste prematuro. As estatísticas indicam que a vida útil do pneu diminui em média 20% com uma subpressão de -0,5 bar. Pneus inflados incorretamente também têm um impacto significativo na segurança rodoviária. De fato, isso leva a uma queda no desempenho de frenagem, bem como à falta de estabilidade. Em velocidade máxima, quando não está na pressão correta, os pneus também podem estourar devido à deformação e geração de calor intenso. O risco de acidente é então muito alto.

Quando o tempo não está bom e em caso de chuva, o carro pode começar a aquaplanar. Um pneu mal inflado causa perda de precisão e aderência, o que dificulta as curvas. Somam-se a tudo isso as dificuldades de manutenção da estrada. No entanto, encher demais os pneus também não é uma solução. Pelo contrário, esta prática pode revelar-se perigosa, pois altera o apoio ao solo, o que leva a uma má manobrabilidade e perda de aderência. Como os pneus serão “pressionados” na estrada com excesso de pressão, eles se desgastarão muito rapidamente e até entrarão em colapso. No caso de ocorrer uma sobreinflação por acidente, não tente desinflar. É necessário esperar que a temperatura do pneu baixe antes de efetuar uma recarga.

Fonte de reprodução: Adobe Stock

Conheça a pressão correta dos pneus

A pressão dos pneus não é universal. Cada tipo de veículo tem sua própria pressão correta dos pneus de acordo com as recomendações do fabricante. Em princípio, a informação é visível na etiqueta de identificação do automóvel que se encontra no manual de bordo, na porta do lado do condutor ou na tampa do depósito de combustível. Não é necessário consultar a lateral do pneu para ver a pressão recomendada, ela não aparece lá. Os únicos dados visíveis ali são o tipo de pneu, a idade e possivelmente a pressão máxima tolerada.

Tenha o cuidado de fazer a diferença entre “pressão máxima” e “pressão recomendada”. Conforme explicado acima, o pneu corre o risco de se desgastar rapidamente e se tornar perigoso se for inflado demais. A pressão a aplicar depende da carga, do número de passageiros e dos pneus dianteiros e traseiros. Também é sazonal. No inverno, o fabricante recomenda adicionar +0,2 bar à pressão recomendada. Se o veículo for circular na estrada por mais de duas horas, também é necessário adicionar uma pressão de +0,3 bar.

Quando verificar a pressão dos pneus? Como fazer isso ?

A pressão dos pneus deve ser verificada pelo menos a cada 30 dias ou antes de planejar o transporte de cargas muito pesadas, antes de uma longa viagem ou antes de uma inspeção técnica. É especialmente no inverno que esta operação deve ser feita com a maior regularidade possível. Quando a temperatura cai de 10 para 30°C, é provável que a pressão dos pneus também diminua. Para verificar essas informações, é possível fazer você mesmo se você tiver um manômetro, ir a um posto de gasolina ou passar pelos serviços de um mecânico.

Para os motoristas que decidem realizar a operação por conta própria, o primeiro passo é desaparafusar a válvula. Em seguida, você deve inserir o bico do compressor na válvula para evitar que o ar saia. É quando a pressão deve ser verificada através do dispositivo. Em princípio, um pequeno silvo deve aparecer. Se a pressão exibida não estiver correta, será necessário diminuir ou aumentar a inflação. Quando a operação estiver concluída, basta remover a ponta e rosquear a válvula novamente.

Fonte: https://autopapo.uol.com.br/noticia/trocar-o-pneu-facil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.