Compra de brinquedos não é brincadeira de criança

Compra de brinquedos não é brincadeira de criança

O diretor presidente do Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo – IBEDEC – Dr. José Geraldo Tardin alerta que compras de brinquedos inadequados podem trazer riscos a segurança e danos irreversíveis para a saúde das crianças.

  • Brinquedos que produzem ruídos ou barulho excessivo podem causar sérias lesões à audição;
  • Deve ser evitado brinquedos que imitem alimentos e tenham odor, pois as crianças tendem a engoli-los;
  • Os brinquedos não devem possuir partes cortantes ou pontiagudas;
  • Deve ser observado o prazo de validade e condições de garantia do brinquedo;
  • O brinquedo nunca deve fugir a faixa etária de uso da criança, que deve ser informado no rótulo do brinquedo;
  • A embalagem do brinquedo deve conter todas as informações sobre o fabricante (nome, CNPJ, endereço, sit, telefone de contato);
  • Deve ser evitado todo e qualquer brinquedo que possa ocasionar choque elétrico;
  • Deve ser exigido sempre a nota fiscal do brinquedo;
  • O brinquedo nunca deve ser comprado em loja de camelô;
  • O brinquedo deve conter sempre selo do INMETRO;
  • O brinquedo deve ser aberto e testado na presença dos pais, que devem ter o cuidado de não ceder apenas aos apelos visuais;
  • Os brinquedos educativos devem ser os preferidos, pois estimulam a capacidade lógica e social da criança;
  • A embalagem ou manual devem trazer em português todas as informações necessárias para que se saiba o que está sendo comprado;
  • A troca do presente só é obrigatória quando há defeito no bem ou quando a compra é indireta (internet, catalógo), do contrário o vendedor pode realizar a substituição ou não;
  • Deve ser observado se existe assistência técnica na cidade do consumidor;
  • Em casos de compra indireta (internet, catalógo) o consumidor tem um prazo de reflexão previsto no Código do Consumidor de 7 dias para devolução do produto independente do motivo sem qualquer custo ou retenção de valor.
  • A garantia legal é regulamentada pelo CDC, que diz que o consumidor tem 90 dias contados a partir da data da compra para reclamar e exigir o conserto de defeitos no produto ou realizar a troca de produtos não perecíveis. Caso o brinquedo seja perecível, a troca pode acontecer em até 30 dias. A garantia adicional é uma liberalidade do fabricante.
  • Não se deve comprar CD, roupas, livros, filmes, revistas, maquiagem, jogos ou qualquer outro presente que estimule a EROTIZAÇÃO INFANTIL.

ATENÇÃO REDOBRADA:

O consumidor não tem privilégio, tem direito assegurado.